loading please wait..

7 Objetos Terrivelmente Amaldiçoados

A 7 palmos deu uma parada em fevereiro, mas volta com tudo agora no mês de março.
Com novas histórias e um formato mais atualizado. E para dar uma pista do próximo
creepymovie, listamos aqui 7 objetos terrivelmente amaldiçoados!

 

1) A mulher da estátua de Lemb

Originalmente feita em torno de 3500A.C no Chipre e depois encontrada em 1878 na
Europa, esta estátua já matou tantas pessoas, muitas vezes referida como “A
Deusa da Morte “. Supostamente, o primeiro dono era o Lorde Elphont, cujos sete membros
da família morreram todos dentro de seis anos a partir da aquisição da estátua por
Elphont. A Estátua de Lemb foi então adquirida por Ivor Manucci. Quatro anos depois, ele
e toda sua família estavam mortos. Então Lord Thompson-Noel tornou-se o novo próprietário
da estátua. Ele e sua família morreram também. A estátua ficou desaparecida por pouco tempo,
mas seu próximo proprietário confirmado foi Sir Alan Biverbrook. Sua esposa e duas filhas
logo morreram. Com dois filhos ainda, Biverbrook sabiamente doou a estátua ao Museu Real
Escocês.

N.E.: Há dúvidas sobre a veracidade dessa história. mas se lhe oferecerem essa estátua,
melhor não arriscar.

 

 

2) Cadeira de Thomas Busby

Você tem uma cadeira favorita em sua casa? Considere amaldiçoá-la depois que você morrer.
Dessa forma, se alguém sentar nela, terá o mesmo destino que você.
Isso é o que Thomas Busby fez em 1702, logo antes de ser executado pelo crime de estrangulamento
de seu sogro. Supostamente 63 pessoas que se sentaram na cadeira morreram de formas inusitadas. Às
vezes poucas horas após sentar na cadeira amada de Busby. Em 1972, o Museu Thirsk teve de suspendê-la
no teto para evitar que as pessoas cometessem suicídio por sentar nessa cadeira.

 

 

3) Annabelle, a boneca

Comprada em uma loja de antiguidades em 1970, uma mulher deu uma boneca de presente para sua filha
Donna, que estava na escola de enfermagem. Donna e sua companheira de quarto Angie
encontravam a boneca em diferentes posições e locais diferentes. Um dia, elas encontraram a boneca
com sangue nela. Um médium disse-lhes que a boneca era possuída pelo espírito de uma menina chamada
Annabelle, que morreu no local onde o condomínio delas foi construído.
Mas o amigo das mulheres, Lou, percebeu que havia algo mais sinistro sobre Annabelle,
e disse para suas amigas para se livrarem dela. Foi quando Annabelle foi visitar Lou.
Ela levitou seu corpo e estrangulou-o até desmaiar. Na noite seguinte, as colegas de quarto ouviram barulho
de alguém na sala ao lado e Lou foi investigar. As garotas ouviram-no gritar. Encontraram Lou
com duas marcas de garra, embora ninguém mais estivesse na sala, exceto… Annabelle. As meninas chamaram
Ed e Lorraine Warren. As mesmas pessoas que investigaram o conhecido caso da casa de Amityville.
Eles chegaram a conlusão de que a boneca era realmente um canal para o inferno e que um demônio a estava usando.
Dois exorcismos não funcionaram, e agora a boneca reside dentro de um armário de vidro, no museu oculto
dos Warrens, onde move-se ainda.

 

 

4) As pinturas dos garotos chorando

O artista italiano Giovanni Bragolin pintou um quadro de um menino chorando, que inexplicavelmente se
tornou muito popular na década de 1950 e teve muitas impressões feitas.
Em 1985, o jornal britânico The Sun relatou que um bombeiro encontrou estas pinturas em várias casas
destruídas pelo fogo … embora os quadros estivessem em perfeito estado. Aparentemente, os bombeiros
britânicos já estavam assustados por este fenômeno e nunca permitiram que suas casas tivessem esses quadros.
A pintura era de um órfão cuja casa tinha incendiada. O mais intrigante é o que leva tantas pessoas queiram
pendurar uma foto de um garoto soluçando em suas paredes?

 

 

5) O vaso Basano

Digamos que você está cavando em torno de seu quintal e descobre um vaso de prata italiano do século XV.
Dentro do vaso tem um bilhete, onde está escrito: “Cuidado … este vaso traz a morte.” Você certamente
calocaria ele de volta para baixo da terra, coloca concreto, e sai para beber, certo? Bem,
quem encontrou o vaso em 1988 foi um pouco ingênuo, porque jogou o bilhete de lado
e vendeu o vaso para uma casa de leilões. O vaso foi comprado por um farmacêutico que
morreu três meses depois. Após, um cirurgião comprou o vaso e morreu dois meses depois,
apesar de ter apenas 37 anos. Em seguida, um arqueólogo comprou, morreu dois meses
mais tarde. O próximo dono morreu dentro de um mês. De acordo com alguns jornais italianos, a
a polícia confiscou o vaso e o enterrou novamente em uma caixa de chumbo em um local desconhecido.

 
6) Carro de James Dean

O ator James Dean adorava seu Porsche Spyder de 1955. Ele a tinha customizado e
carinhosamente o chamou de seu “Pequeno Bastardo”. Um amigo, ao encontrar Dean para o almoço, disse:
“Se você entrar nesse carro, você será encontrado morto, dentro dele, na próxima semana”. E infelizmente
essa profecia se concretizou. A maldição não parou por aí. Quando os mecânicos tentaram reparar o carro destruído, ele caiu
um deles teve as pernas esmagadas. O novo proprietário do carro vendeu o motor para dois pilotos. Um perdeu o
controle do carro, atingiu uma árvore e morreu instantaneamente. O outro ficou ferido quando o carro capotou.
Dois ladrões tentaram tomar peças do carro, mas ambos foram feridos. O carro foi então doado para
uma exposição na Califórnia. Nesse ano a exposição pegou fogo. No outro ano, em que o carro
havia sido exposto novamente, ele caiu sobre um estudante, quebrando seu quadril.
O automóvel ainda esmagou o motorista de um caminhão que o estava transportando. O carro desapareceu desde então,
o que provavelmente é bem melhor.

 

 

7) A Caixa Dybbuk

No folclore judaico, um Dybbuk é um espírito maligno. Supostamente, durante o holocausto,
um sobrevivente chamou acidentalmente o demônio ao usar um tabuleiro Ouija caseiro
e conseguiu prendê-lo dentro do armário de vinho. Kevin Mannis comprou a caixa
em uma venda da propriedade em 2001 e começou imediatamente ter pesadelos sobre
uma bruxa, como aconteceu com os amigos que estavam com ele. Mannis deu a caixa à sua
Mãe, que sofreu um derrame no mesmo dia. Os proprietários posteriores da caixa também
alegaram que tinham Dybbuk em seus pesadelos. O último proprietário
foi Jason Haxton, diretor do Museu de Medicina Osteopática, que não
só teve pesadelos, mas desenvolveu uma estranha doença de pele e começou a tossir
sangue. Nesse ponto, Haxton entrou em contato com seus rabinos locais, selou o Dybbuk
de volta à caixa, e então escondeu-a do mundo.

Publicado em10 de março de 2017 em7 Curiosidades

Compartilhe